Home Programa Calendário Documentação Pesquisa

Pyracantha

Nome científico: Pyracantha

Família: Rosaceae

Nomes comuns: Espinho de Fogo,

Origem: Ásia             

Ciclo vegetativo: Perene

Utilização: Arbusto ornamental sempre verde. Sebes, barreira ou latada,  planta trepadeira, pode ser deixada a crescer livremente em jardins e margens de estradas, arranjos de flores, os frutos podem ser utilizados para produção de vinho e geléias.

Folhas: alternadas, verdes, elípticas ou ovais, com cerca de 1 cm de largura e 4 cm de comprimento, coriáceas, escassamente pecioladas e luzidias na página superior. As margens podem ser ligeiramente recortadas.

Caule: lenhoso, porte erecto, espinhoso.

Flor: hermafrodita, agrupadas em corimbos, cálice com 5 sépalas pequenas e triangulares, corola com 5 pétalas brancas arredondadas e mais estreitas na base. Androceu com 20 estames com anteras amarelas, ovário ínfero, com 5 carpelos livres no eixo central, unidos a meio comprimento ao tubo do cálice.

Fruto: drupa.

Altura: pode atingir os 4 m.

Época de floração: Abril a Maio.

Solo: diversos desde que bem drenados.

Clima: prefere o meio exterior e faces viradas a Sul, não tolera  temperaturas muito elevadas, deve ser protegido de geadas, suporta o vento e temperaturas baixas até aos –15ºC. Em clima húmido aumentam os problemas com fungos.

Propagação: estaca caulinar, de madeira semi-madura. Bom enraizamento a 16 ºC, sementes requerem estratificação, cultura “in vitro”.

Cultura: cresce bem em contentores e a altura ideal de plantação é no Outono.

Pragas e doenças: fogo bacteriano provocado pela Erwinia amylovora e sarna provocado por Spilocaceae pyracanthae, pode também ser susceptível à clorose férrica e ataques de aranhas vermelhas, cochonilhas e afídeos.

Algumas espécies compreendidas: Pyracantha coccinea, P. angustifolia, P. crenato-serrata, P. crenulata, P. rogersiana e P. fortuneana.

Notas adicionais: ornamental de grande beleza principalmente quando com frutos. Grande diversidade de formas conseguidas com podas de formação, isoladas ou em grupo. Nome deriva do grego Pyrus=fogo e acanthos=espinhoso em associação à coloração dos seus frutos e aos seus ramos espinhosos. Cuidado com espinhos e com possíveis alergias e intoxicações pelos frutos.

Fontes de informação:

Sampaio, G. , Flora Portuguesa, 3ª Ed., Instituto Nacional de Investigação Científica, 1988

Encyclopaedia of Garden Plants and Flowers, Reader´s Digest Association Limited, London, 1958

Cullen, J., Alexander, J.C.M. et al, The European Garden Flora-Dycotyledons (Part II), Cambridge University Press, Cambridge, 1995.

 

Compilado por: Ana Luísa Leite Fernandes, 2002.

 

Home | Ensino | Investigação | Perfil Pessoal | Contactos

Copyright Domingos Almeida 1999-2004. Todos os direitos reservados.
Última actualização: 28/03/03.